O que te define?

who you are

Algumas pessoas se deixam definir por aquilo que falam delas. Outras se deixam definir exatamente por aquilo que não falam. Tem aquelas que são definidas pelos números mostrados na balança, na calça jeans e na camisa. Tem também quem se define por aquilo que tem, enquanto outros se deixam definir exatamente por aquilo que não tem. Sem contar aqueles que deixam sua definição nas mãos da TV, dos jornais, das revistas, das redes sociais. 

Tem gente que se define por suas limitações. Tem outros que são definidos pelos seus problemas. Tem também aqueles que são definidos por marcas do passado ou mesmo do presente. Tem gente que se define por onde veio, por sua família, por suas origens ou falta delas. Tem gente que se define por suas emoções – muitas vezes negativas – em relação a tudo. Enfim, tem muita gente que se deixa definir pelos outros, pelas circunstâncias ou simplesmente por aquilo que vem de fora.

Só que eu preciso te contar um segredo: você não precisa se deixar definir por nada disso. Basta que você decida conscientemente o que te define. Se você decidir que não é a sua aparência que te define, que não é o que você tem que te define, se você decidir que o que te define é quem você é de verdade, tudo muda!

Parece clichê, parece livro de autoajuda, parece mais um textinho motivacional? Sim, parece! Mas quando você assistir ao vídeo abaixo você vai finalmente entender que você tem sim escolha. Você pode escolher ser definido pelo que os outros dizem ou pelo que você é. Você pode escolher ser definido pelo que a balança diz e pelo que você é. E a minha torcida é que você tenha a coragem pra escolher ser definido por quem você é de verdade!

E aí, o que você vai deixar que defina você?

***

Post sugerido, há muito tempo atrás, pela Lenir. Brigada pela dica, sis! 😉

Anúncios

Quem é você?

você

Muita gente se deixa levar pelo que dizem as revistas, os jornais ou mesmo as propagandas. Têm ainda aqueles que se deixam levar pelo que diz a família, os amigos, os colegas de trabalho. Fora aqueles que pulam de galho em galho e a cada hora ouvem uma voz dizendo quem são.

O problema de se firmar no que os outros dizem a respeito de quem você é é que, na verdade, eles vão sempre dizer quem você deveria ser. Baseado em algo que acham, que está na moda ou mesmo que pela experiência que têm. Ou seja, eles não podem dizer quem é você.

E então, quem é você? E vamos deixar claro que não estou falando do que você faz. Porque muita gente confunde isso. Você não é apenas o que você faz ou mesmo o que virá a fazer. Sim, isso é parte de você. Mas uma parte bem pequena. E se você se baseia apenas no que você faz, se um dia você deixar de fazer isso ou mesmo fizer isso mal, você se sentirá perdido.

É o que acontece com quem se aposenta, por exemplo. A pessoa passa a vida inteira achando que é aquilo que ela realiza nas oito horas na firma. E quando ela deixa de preencher seus dias com isso, ela simplesmente não sabe mais quem é.

Também é o que acontece com que se baseia em suas habilidades, sejam elas quais forem. Um dia, essa pessoa falha. Porque isso acontece. Você sempre realiza bem alguma coisa e, num belo dia, não faz tão bem. Se você ancora sua identidade aí, você começa a ter dúvidas a respeito de você mesmo.

Então, pergunto de novo: quem é você? A bíblia diz algumas coisas bem interessantes sobre isso:

– você é imagem e semelhança de Deus
– você é filho de Deus
– você é uma obra-prima do Criador, que carrega em si as digitais daquEle que governa o Universo

Essas são apenas algumas das definições sobre quem é você. E quando você as têm tatuada no peito, não se deixa levar por todas as vozes que dizem o que você deveria ser. Você simplesmente sabe quem é e vive de acordo com isso.

Saber quem somos, ter clareza a respeito da nossa identidade é fundamental. Com isso, deixamos de viver as expectativas alheias e passamos a viver de acordo com quem somos, florescendo e crescendo. Como deve ser! 😀

(Esse é mais um post baseado no meu livro “Você não cabe na forma”)

Duas versões, uma escolha

Você deveria ser alto, engraçado e bem-sucedido. Eu deveria ser mais aberta, bem-humorada e magra. Ele deveria ter o cabelo liso, a pele morena e os olhos claros. Ela deveria ser uma boa mãe, ter um casamento espetacular e ainda ter tempo pra se cuidar. Todos, enfim, deveríamos ser alguma coisa que, provavelmente, não somos.

Os comerciais nos dizem que deveríamos ter aquela família perfeita de propaganda de margarina. Também dizem que deveríamos ter o carro x, a bolsa y, o creme dental z. As revistas afirmam que deveríamos ter um relacionamento de tal maneira. Os filmes nos mostram que deveríamos viver assim ou assado. As novelas jogam na nossa cara que todos deveríamos ser do núcleo rico ou, quem sabe, do núcleo do Leblon. Nossos amigos ficam, mesmo que disfarçadamente, nos lembrando que deveríamos ser dessa e daquela maneira. Nossa família, que nos conhece muito bem, nos empurra rumo aquilo que acha que deveríamos fazer.

E lá vamos nós correndo atrás daquilo que deveríamos ser. Sem parar pra pensar que isso nos torna, no máximo, cópias fajutas de nós mesmos. Jamais a nossa melhor versão. Lá vamos nós correr atrás daquilo que achamos que deveríamos ser, que outros dizem que deveríamos ser, sem nos perguntar se é isso mesmo que somos.

Assim, quem é você? Antes de tentar responder, respire fundo. Não estou perguntando quem você deveria ser. Mas quem você é. Você é introvertido, calado, meticuloso? Ou você é extrovertido, falante e muito desligado? Você gosta de rotina ou prefere o caos? Você ama livros, filmes e discos ou não curte nada disso? Você prefere estar sozinho ou você ama andar acompanhado? Quem é você?

Durante um bom tempo pensei que fosse daquelas pessoas que odiavam rotina, afinal, sou publicitária. Gosto do novo, do movimento. E isso não combina com rotina, certo? Pensei, durante muitos anos, que eu deveria ser uma pessoa avessa à rotina. Até que descobri que sou exatamente o contrário: sou uma pessoa que, dado o caos que é a minha vida profissional, se sente segura e bem quando tem uma rotina mínima a seguir.

Quando aceitei quem eu sou e não fiquei correndo atrás de tentar ser quem eu achava que deveria ser, ao menos nesse ponto, consegui deixar em ordem algumas coisas. E consegui melhorar minha vida por finalmente colocar meu amor pela rotina para trabalhar em meu favor. Ou seja, deixei de ser uma versão falsificada de mim mesma, deixei de tentar fazer de conta que era alguém que nunca fui pra melhorar quem eu realmente era.

Fora que, quando fiz isso, foquei minha energia naquilo que era realmente importante, sem gastá-la naquilo que eu achava que deveria ser importante. Enfim, diminuí o cansaço, ao menos nesse quesito, e aumentei  a satisfação.

Quem eu sou x quem eu deveria ser. O tempo todo você e eu somos forçados a escolher entre essas duas versões. E é a nossa escolha que determina nosso grau de satisfação, de aceitação. É ela quem determina também se vamos avançar e crescer, ou se vamos continuar no mesmo ponto, fazendo de conta que somos algo que não fomos criados pra ser.

E aí, o que você vai escolher?