Control freak

Diante do que me aconteceu na última semana, diante de todo o drama, mais uma vez percebo uma característica nada agradável da minha própria pessoa: a tendência a ser uma control freak. Em resumo, control freak é aquela pessoa que, extremamente perfeccionista, tenta ter o controle de tudo o que acontece em sua vida e à sua volta.

Só que isso, como todos bem sabemos, é simplesmente impossível. Porque a vida é feita de uma série de variáveis caprichosas que simplesmente não admitem ser controladas. Um exemplo? A perda de peso. Para perder peso, preciso me alimentar corretamente e fazer atividade física, correto? Em partes sim. Mas se eu estiver muito cansada, o cortisol pode impedir que isso aconteça. Se eu não praticar a quantidade de exercício suficiente, isso também pode afetar na perda de peso final. Sem contar que, como estou pra lá do meio do processo, perder peso se torna cada vez mais complicado.

E então, como controlar tudo isso? Como controlar a alimentação, a atividade física, o stress e o cortisol, o metabolismo, tudo-ao-mesmo-tempo-agora? Não dá. Simplesmente não dá. Diante disso, restam-me duas opções: ou enlouquecer tentando fazer o impossível ou simplesmente aceitar que não tenho tudo em minhas mãos e seguir adiante. Desde sábado, tenho tentado seguir a segunda opção.

Porque foi isso que de certa forma descobri que estava faltando por essas bandas: aceitação. Aceitar que eu não controlo tudo, que as coisas têm um ritmo só delas e que eu posso, apesar disso, seguir em frente e ser feliz. Aceitação, que fique claro, não é acomodação. Pelo contrário. Continuarei lutando, me esforçando, pra que aquilo que me incomoda seja transformado. Mas vou tentar, sempre que possível, não mais gastar energia tentando controlar tudo o que se passa.

Preciso focar minha energia naquilo que realmente está ao meu alcance, naquilo que realmente me faz crescer. Não mais em ilusões, porque o controle de tudo não passa disso: de ilusão. De um castelo de cartas que passo os dias montando e, ao menor vento, simplesmente se desfaz. E lá vou eu, ingenuamente, montá-lo de novo e de novo, sem entender que aquilo ali não me pertence. E lá vou eu montá-lo de novo e de novo sem perceber que, com isso, minha energia se esvai levando com ela toda a minha alegria.

É chegada a hora, enfim, de deixar ir. Isso mesmo, de deixar ir as ilusões e de trazer de volta o que realmente importa. E o que realmente importa? Ser feliz em toda e qualquer situação. Ou seja, praticar, enfim, a aceitação!

Senhor, dai-me força para mudar o que pode ser mudado.
Resignação para aceitar o que não pode ser mudado.
E sabedoria para distinguir uma coisa da outra.
(São Francisco de Assis)

2 pensamentos sobre “Control freak

  1. Concordo plenamente! Acho que ainda, infelizmente, sou um pouco assim!!! Obrigada pelo artigo!!! Adoreeeeei!!! Mt inteligente e com um olhar diferenciado! Obrigada

    • De nada! O pior de ser control freak é q, qnto mais a gente tenta, menos a gente controla e mais a gente se frustra! 😦 Bju!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s