Miudezas

É nas pequenas coisas que a gente descobre o outro e se descobre. Não são os grandes eventos, os grandes momentos, que revelam quem somos afinal. São os atos cotidianos, as miudezas, o que fazemos sem perceber, que carregam nossa identidade, que expõem nosso DNA.

Num grande acontecimento, num momento cheio de pompa e circunstância, é muito fácil vestir nossa personalidade com o dress code exigido e simplesmente ser, agir, falar, conforme o esperado. Mas quando somos pegos de surpresa, quando somos instados a ser espontâneos, é aí que realmente nos revelamos. Somos o que somos e nada mais.

E não raro, nos espantamos com a pessoa que descobrimos ser. Quem nunca se assustou com sua própria reação (para o bem ou para o mal) diante de um pequeno acidente, de um momento de intensa pressão ou num instante que pedia rápida tomada de decisão? Nessas horas, o fraco se descobre forte, o corajoso se descobre um medroso, o falastrão simplesmente se cala. Somos nós em estado bruto.

Observando as nossas próprias miudezas é que percebemos, enfim, o que realmente anda nos acontecendo. O processo pelo qual estamos passando, se evoluímos ou involuímos nesse ou naquele ponto. Se estamos estagnados ou avançando, se somos quem desejamos ser (como tantas vezes alardeamos) ou se estamos bem longe disso. É na lupa que nos encontramos e não na luneta.

Brincando com minha lupa particular, tenho percebido algumas pequenas, mas significativas, alterações no meu microcosmo. Algumas coisas que antes me eram tão secretas agora andam expostas abertamente. Um exemplo? Meu peso. Antes de passar por todo esse processo de emagrecimento, jamais revelava meu peso a quem quer que fosse. Hoje me pego, sem perceber, alardeando ao mundo que peso 99kg. Perto dos quase 140kg de três anos atrás, parece mesmo insignificante. Mas perto do que a maior parte das pessoas pesam, é sim muito.

A questão não é mais quanto eu peso. E é isso que minha lupa tem me mostrado. A questão é como me sinto em relação a isso. E é aqui que as pequenas coisas mostram as grandes mudanças. Hoje, não me escondo mais atrás do meu peso. Assim como tenho percebido que evito me esconder atrás de qualquer outra coisa. Tenho tido prazer em me mostrar, em revelar quem eu sou. E isso, pra mim, é um grande avanço.

Tão grande, mas tão grande, que só é verdadeiramente percebido nas miudezas. E é por isso que, ultimamente, minha lupa tem estado sempre a postos!

 

4 pensamentos sobre “Miudezas

  1. Acho q nunca nos conheceremos por completo… O viver é uma grande descoberta de muitas coisas, inclusive, uma autodescoberta!
    O que ontem escondíamos em nós (ou de nós) mesmos,, sentiremos prazer em revelar amanhã e vice-versa.
    O bom é que nunca precisamos ser definitivos em relação a nada e nem a nós mesmos, fazendo a lupa passear por muitos olhares e mudanças.

    Amei o texto e acho que ando precisando usar a minha lupa, rs.

    Amour =***

    • Catylinda, é bem o q cantou Raul: “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante/ do q ter aquela velha opinião formada sobre tudo”. O gostoso da vida é a gente poder mudar sempre q quiser e sempre q precisar, né? Bju!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s