O tal do equilíbrio

Você já percebeu como é complicado alcançar o tal do equilíbrio? Observe sua vida, de maneira geral. Normalmente, pendemos sempre por um lado. Temos dias de grande otimismo. Depois, temos dias de pessimismo intenso. Temos dias de trabalhar dobrado. E depois, temos dias de simplesmente procrastinar o que é possível. Passamos a vida, de maneira geral, correndo de um extremo ao outro. Parando, poucas vezes no meio. Curtindo, tão infimamente, o tão sonhado equilíbrio.

Não apenas sonhado, eu diria. Mas necessitado. Porque preste atenção: sempre que a balança pende para um lado, tudo se desconfigura. Daí temos que fazer um esforço gigante pra equilibrar tudo aquilo que está desequilibrado. Ou seja, precisamos nos esforçar ainda mais pra manter o mínimo equilíbrio no desequilíbrio.

Quer um exemplo? Você aposta todas as suas fichas no seu trabalho. E como você trabalha! Passa seus dias enfurnado em tabelas, em gráficos, em pendências. E deixa todo o resto de lado. De repente, você percebe que sua vida emocional tá um caco, que sua saúde foi pro brejo, que você não tem mais nada além do trabalho. E lá vai você, tentar compensar de alguma forma tudo isso. Gastando, assim, muito mais energia pra tentar equilibrar algo que está completamente desequilibrado.

E o engraçado é que a gente demora a perceber que não adianta simplesmente tentar equilibrar o desequilíbrio. É preciso colocar cada coisa em seu lugar. É preciso sair do oito ou oitenta e tentar achar um número bem ali no meio. É preciso que as coisas tenham os pesos e medidas mais ou menos iguais – ou ao menos proporcionais.

Quer um outro exemplo? Fui ontem à nutricionista pegar minha dieta. E me assustei com o tanto de comida colocado ali. Claro, externei o meu susto. E ela, sorrindo, me disse que havia percebido que, fora as derrapadas, um dos motivos de eu não estar emagrecendo era o fato de estar comendo pouco.

Isso mesmo! Se comemos muito, engordamos. Se comemos pouco, não emagrecemos. O que faz a diferença nesse processo, e em todos os outros das nossas vidas, é sim o tal do equilíbrio. E disso, não há como fugir.

Agora o grande lance é: como alcançar o equilíbrio? Creio que o primeiro passo é, sem sombra de dúvidas, detectar os pontos de desequilíbrio e empenhar-se em corrigi-los. É preciso ver pra onde nossa balança está pendendo e tentar corrigir isso. Mas sem exageros também. Se o ponto zero parece inatingível ou mesmo inalcançável, o mais próximo que chegarmos dele já é um grande avanço.

Ou seja, nada de sair correndo freneticamente atrás de um equilíbrio perfeito, ideal, porque ele, meus caros, não existe! O que precisamos, enfim, é equilibrar as nossas vidas à medida daquilo que conseguimos, que somos capazes. Sem desequilíbrio nessa busca também! 😉

Anúncios

4 pensamentos sobre “O tal do equilíbrio

  1. Lembrei de: “Viver é como andar de bicicleta: É preciso estar em constante movimento para manter o equilíbrio.”
    (Albert Einstein) Sem parar, sem correr demais. Da hora, Rê! ;*

  2. Lembro que uma época minha terapeuta vivia me lembrando que entre o oito e o oitenta há 78 possibilidades (é isso mesmo? Fala a negação em matemática). E que eu não devia me esquecer disso, nem das matizes de cinza que meu olhar preto no branco costumava ignorar. Esse aprendizado do equilíbrio é difícil mesmo, mas valioso. Torna a vida mais leve também.

    • Rê, são mesmo 78 possibilidades! rs… Acho que esse é o problema: a gente tem a tendência de focar nos extremos e deixa de experimentar as possibilidades que se encontram entre eles. Ou seja, a gente sempre perde MUITO (78 possibilidades, pelo menos! :P) sendo extremista. Fora a questão do desequilíbrio em si, que é muita coisa que, como uma pessoa que luta contra a compulsão alimentar, me atrapalha demais! 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s